Para começar a semana bem informado – 6 a 10 de julho de 2020

//Para começar a semana bem informado – 6 a 10 de julho de 2020

Para começar a semana bem informado – 6 a 10 de julho de 2020

By |2020-07-10T13:37:13-03:0007/07/2020|Notícias|0 Comments

IOF zero para crédito

O Ministério da Economia renovou por mais três meses a redução a zero da alíquota do IOF sobre operações de crédito. A medida, tomada para facilitar o crédito a pessoas físicas e empresas afetadas pela pandemia do novo coronavírus, começou a valer em abril e agora foi prorrogada até 2 de outubro. A redução a zero do IOF de abril a outubro fará com que o governo deixe de arrecadar cerca de R$ 14 bilhões, segundo o Ministério da Economia.

 Consumo

As emissões de notas fiscais eletrônicas chegaram em junho à média diária de R$ 23,9 bilhões, o maior valor no ano, mostrando recuperação da economia. Segundo a Receita Federal, as vendas cresceram 15,6% no mês passado, em relação ao registrado em maio. Na comparação com o mesmo mês de 2019, o aumento foi de 10,3%. O levantamento mostra que todas as regiões do país apresentaram recuperação nas vendas. Um dos destaques foi o comércio eletrônico, com salto de 73%, em comparação com junho do ano passado. 

Indústria retoma crescimento

A CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgou hoje (6/7) o balanço de maio, que aponta crescimento de 11,4% em comparação com o mês anterior. Após o tombo ocorrido em abril, com queda de 23,5%, o setor mostrou aumento no faturamento, na utilização da capacidade instalada e nas horas trabalhadas. Mesmo assim, a evolução ficou abaixo no comparativo com o mesmo mês do ano passado, com diminuição de 17,7%. Nos cinco primeiros meses do ano, houve retração de 8,1% nas vendas, frente aos números de 2019.

Poupança tem saldo positivo, mas rende pouco

As cadernetas de poupança tiveram um saldo positivo de R$ 20,5 bilhões em junho, de acordo com o Banco Central. Foram R$ 260 bilhões depositados e R$ 240 bilhões em saques. O saldo atual é de R$ 943 bilhões aplicados, o maior desde 1995, quando o volume de depósitos e saques começou a ser divulgado. A poupança rendeu 0,21%. Atualmente, o investimento rende a TR (Taxa Referencial) – que está zerada – mais 70% da Selic, que atingiu seu menor índice histórico, de 2,25% ao ano, tornando-se um dos investimentos com menor retorno no mercado.